3 anos depois da Laudato si

  • 05/07/2018
  • 0 Comentário(s)

3 anos depois da Laudato si

O sacerdote comboniano Dario Bossi é um dos nossos representantes na conferência “Salvar a nossa Casa Comum e o futuro da vida na Terra”, que celebra no Vaticano os 3 anos da Encíclica Laudato si. A Rede Eclesial Pan-amazônica (REPAM) está presente com uma representação indígena.

Cristiane Murray - Cidade do Vaticano

Três anos depois da publicação da Encíclica Laudato si, o Vaticano promove a conferência internacional “Salvar a nossa Casa Comum e o futuro da vida na Terra”. O encontro, organizad

 pelo Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral e o Movimento Católico Global pelo Clima, será nos dias 5 e 6 de julho e reunirá na Sala do Sínodo especialistas e representantes dos vários continentes.

O objetivo, partindo do questionamento do Papa Francisco: “Que tipo de mundo queremos deixar a quem vai nos suceder, às crianças que estão crescendo?” (LS,160) é chamar a atenção para a profunda urgência e preocupação pela precária condição do nosso planeta.

Os males da mineração

Hoje, a riqueza da floresta e dos rios da Amazônia, por exemplo, está ameaçada pelos grandes interesses econômicos que se alastram sobre diferentes regiões do território. Tais interesses provocam, entre outras coisas, a intensificação do desmatamento indiscriminado na floresta, a contaminação dos rios, lagos e afluentes (por causa do uso indiscriminado de agrotóxicos, derrame de petróleo, dos derivados da produção de drogas e da mineração legal e ilegal).

A participação brasileira: Padre Dario Bossi, Igrejas e Mineração

O sacerdote comboniano chegado no Brasil há 10 anos e aliado do povo de Açailândia na luta contra os impactos da mineração ilegal naquela região maranhense, é um dos nossos representantes no evento.

26/06/2018

Padre Dario acaba de participar da I Assembleia territorial da REPAM (Rede Eclesial Pan-amazônica) em São Luis (MA), onde foi apresentado o Documento Preparatório para o Sínodo da Amazônia.

“ A atividade extrativa fere o ventre da Mãe-Terra de forma irresponsável e ameaça as comunidades, especialmente as que se opõem a esta agressão, e que acabam sendo criminalizadas e perseguidas ”

“Traremos nossas experiências, os conselhos que vêm da base, o grito do povo. Não podemos mais fechar os olhos e os ouvidos. Ou agora ou nunca mais”.

Povos indígenas são mais avançados do que nós

“Em nome dos povos latino-americanos e brasileiros, gostaria de agradecer ao Papa pelo carinho, sobretudo pela intuição que ele está tendo: dentro das culturas e espiritualidades indígenas existe uma verdade, que é a verdade de Deus, que Deus semeou junto com a Criação. Estes povos, que evoluíram e que hoje são mais avançados do que nós, porque sabem viver com o meio ambiente de forma mais integrada do que nós, evoluíram sem perder a semente deixada por Deus".

"O Papa diz que temos que escutá-los, mesmo que sejam uma minoria. Isto a Igreja pode ensinar: é nas minorias, nas pequenas periferias, nas coisas mais escondidas que se encontra o segredo de Deus. Queria dizer isso a ele. Sigamos e estamos contigo, porque acreditamos nisso também”.

0 Comentários


Deixe seu comentário


Aplicativos


 Locutor no Ar

Pe. Moacir Anastacio

Caminhando com Jesus Cristo

12:00 - 13:00

Peça Sua Música

Name:
E-mail:
Seu Pedido:


Top 5

top1
1. Pe. Alessandro Campos

Esse é meu Deus

top2
2. Pe. Sidney

Minha vitoria está em Deus

top3
3. Eros Biondini

Tomo Posse

top4
4. Pe. Fabio de Melo

Trem Bala

top5
5. Celina Borges

Nas Asas do Senhor

Anunciantes